Aquilo que não queres deixar de ler...

...Um oásis que é a nossa vida!

A nossa vida não é se não um oásis, num deserto obscurecido pela emergência do querer viver muito além do aqui e agora ! As nossas vidas ...

segunda-feira, maio 25, 2015

…Dar vida, a quem julga que somente já à pode perder!

Era manhã ainda, e nas ruas o sol esse ainda não brilhava, quando numa confissão aberta, aqueles pequenos seres, pelo brilho jovial dos seus olhares, faziam já brilhar no refeitório uma luz imensa e pulcra de uma alegria contagiante.
Escutavam-se expressões variadas, mas em todas era clara à satisfação pelo poder ir aquele lugar místico, que muitos pelo seu estado e idade, pensavam não puder já ir.
Entre todos havia ainda alguém que num jeito simples e poético acabará por dizer: “vou lá ver aquilo, nunca lá fui. Ouvi dizer que é bonito…”, é bonito sim, mas muito mais bonito e belo é construir um novo dia, cheio de brilho e cor, nestes “velhos” que julgam já não puder viver mais para além que o esperar pacificamente o derradeiro dia. Pela mão de uma instituição que hoje completa o seu agregado familiar, que está muito mais além do que aquilo que vulgarmente pensamos, que dia e noite pela entrega de tantos homens e mulheres mantém cuidados estes “tesouros” preciosos da nossa sociedade.
Fátima, altar do mundo, foi o nosso destino. Sonho de muitos por concretizar, a Santa Casa da Misericórdia de Alcáçovas não só idealizou, mas antes quis e colocou em prática este sonho de muitos, rumarem ao altar do mundo, junto de Nossa Senhora do Rosário de Fátima. Muitos carregam em si o peso de uma vida dorida, uma vida de luta e muito esforço, que hoje os impede de caminhar, de manter a sua autonomia, mas não os impede de irem. Por isso foi colocado ao serviço uma vasta equipa de profissionais e colaboradores que acompanharam estas “joias” à peregrinar. Pelo caminho houve tempo para rezar, invocar de Deus a bênção e protecção, para rir, cantar e escutar as muitas histórias que cada uma destas já longas vidas têm para contar.
À chegada ao Santuário, o altar foi a mesa de encontro na santa Eucaristia. Envolvidos pela grandiosidade da Basílica da Santíssima Trindade, os olhares perdiam-se como que numa caçada em que o caçador procura veloz não perder de vista a sua presa. Cada um admirava à sua maneira, sorria, chorava expressava a sua forma à gratidão a Deus por poder estar ali.
“nunca pensei nisto assim! Achava que fosse uma capelinha, com montado em volta como o nosso convento, mas isto é grande;… perdi a vida na fazenda, nunca vi nada, agora estou velho e sem forças já nada posso ver!”, de entres as muitas palavras que pude escutar naquele momento estas em particular guardo no meu coração, talvez pela forma simples e humilde com que deixam transparecer a simplicidade do homem perante a omnipotência de Deus.
Repleto de grande emoção foi também o momento em que se abeiraram da capelinha das aparições, junto da Imagem da Virgem do Rosário de Fátima, ali num silencio profundo que deixaram aos poucos cair pelo chão, cada um no seu intimo procurou dialogar com a Virgem Mãe. Questionando alguém do grupo de qual era o sentimento por estar ali tão perto da Imagem, junto ao local onde a Virgem apareceu, aquela voz doce acabou por me dizer: “hoje somente já peço uma boa morte para mim e longa vida para os meus…” que emocionante é escutar aquelas palavras de alguém que está a dias de completar um seculo de vida, que lhe dizer? Que palavras interpor a este pensamento de fim de vida? Como é pequeno o meu ser onde a minha vida nem um quarto da sua completa!
Um pouco já cansados pela caminhada no santuário foi tempo de procurarmos descansar e almoçar num espaço bem ali do lado, onde já nos esperavam com um verdadeiro manjar de príncipes, bem à altura destas “joias”.
“Luz e Paz” um espaço museológico do Santuário de Fátima onde estão patentes algumas das ofertas e peças de joalharias oferecidas a Nossa Senhora, foi o local escolhido para visitar durante o período da tarde. Na visita mais uma vez nos rostos era possível descerrar o júbilo por puderem estar ali, por puderem como alguém dizia “morrer vendo ainda um pouco do mundo”.
O cansaço era notório no regresso, já não há mais juvenilidade nem fulgor de outros tempos, mas antes uma degustação única por tudo o que a vida ainda lhes tem para oferecer!
A instituição, a cada um daqueles corações que todos os dias para além de voluntários, profissionais, colaboradores, mesários ou provedor, se entregam como seres humildes procurando fomentar o bem-estar de cada um daqueles que pela velhice ou doença a si estão confiados; todos estão de parabéns, não só por este dia, mas por todos os que em gestos simples pintam e dão cor a vida de cada uma destas joias…
Como foi bom puder participar neste júbilo! Puder acompanhar esta experiencia magnifica, dar vida, a quem julga que somente já a pode perder!



   
(Por aquela peregrinação em que pude participar... e onde o meu coração gritou de júbilo!
a Santa Casa da Misericórdia de Alcáçovas o muito obrigado por puder fazer parte desta equipa de voluntários que tenta em gestos simples dar cor a vida de cada uma destas "Joias".) 


Sem comentários:

Enviar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...